Comediante faz stand up comedy para milionários

Marcelo Di Morais apresenta o show “Escritório da Comédia” voltado para executivos

Com mais de 7 anos ininterruptos com seu show em cartaz no teatro paulistano, com sucesso de público, venda e crítica, Marcelo Di Morais hoje é um dos humoristas mais cotados para eventos corporativos. A realidade, porém, nem sempre foi essa. Di Morais, que nasceu em São Paulo, é Administrador de Empresas, mas, só aos 36 anos começou a trilhar seus caminhos no humor através do Stand-Up Comedy. 

Suas atividades profissionais começaram na juventude, como atendente de uma lanchonete em Brasília – que fechou pouco tempo depois. Nesse meio tempo, adotou o sobrenome materno (Morais) e ficou conhecido, por todos, como Marcelo di Morais. A próxima empreitada profissional veio com uma contratação temporária do extinto jornal Correio do Brasil, jornal da capital federal do Brasil, lá, era responsável por contatos publicitários entre o período e possíveis anunciantes. Em seguida, foi a vez de partir para o rádio: A Rádio 93 FM, empresa também extinta do mesmo grupo, foi sua próxima aventura.

A aventura com cara de comédia (afinal, todos os lugares por onde trabalhou simplesmente fecharam!), Marcelo descobriu um novo ramo de atividade em terras cariocas. Foi na cidade maravilhosa, Rio de Janeiro, que trabalhou em uma agência de seguros saúde. Por pura ironia do destino, a agência também encerrou as atividades. De volta a capital paulista, seu berço e, chamado por Di Morais de “QDC”, estava desolado e descontente com a vida. Mudou de água para o vinho, como ele gosta de ressaltar, e transformou-se no ano 2000, em segurança de rua no Largo do Arouche, na região central da cidade.

Lembra da mudança de água para vinho? Ela aconteceu, de verdade! Na Rua Aurora, nos arredores do Arouche, começou seus trabalhos em uma enoteca, ela fechou, mas, Di Morais tomou gosto pelo assunto. Apaixonado por vinhos, criou um blog onde dividia com amigos, conhecidos, curiosos e internautas de plantão. Os textos viraram uma oportunidade para começar algo mais sólido na imprensa: a publicação de uma texto autoral na extinta Revista Divino e o programa Bomdi Vinho, na Clic TV, que tambem fechou.

A paixão pelos vinhos e o humor levou o comediante a criação do show “Di água ao Vinho”, stand-up em que retrata gafes cometidas por clientes e profissionais do vinho. E olha, são muitas as histórias que presenciou.

Na vida amorosa, o caos também se instalou. O “Open Mico” é o show em que fala sobre os desastres amorosos na cidade de São Paulo. Mas, nem tudo foi humor na vida de Marcelo, como falamos no início. 

Quando adolecente, no Natal de 1988, escreveu uma carta após seu pai ter lhe repreendido de uma forma grosseira. “Espero em Deus que eu ainda vou ser um homem que todos, ou melhor, que muita gente vai ter que me obedecer e me respeitar. Tudo isso para que, no futuro, eu possa mostrar aos meus pais que eu não sou o que eles pensam. Pensando bem, é duro ser obrigado a não ter direito de pegar a bicicleta. De tudo o que eu faço, levar uma bronca… Pensando bem Pelé, Renato Aragão (Didi), Dedé, Mussum e Zacarias eram como eu ou pior e hoje são famosos. Posso ser famoso sim! É só sofrer com paciência”. Recentemente encontrou a carta e a emoção foi óbvia. Marcelo já sabia, desde muito novo, que o sucesso da sua vida seria uma questão de tempo. E assim foi!

Hoje Di Morais, como é comumente conhecido, é um dos comediantes respeitados do cenário artístico. Já assinou, por 5 anos, a maior programação de um canal de TV na internet com 24 horas diárias de programação. Em seu show solo de  stand-up comedy, apresenta durante cerca de 60 minutos, observações irônicas e divertidas sobre qualquer assunto. Os temas das apresentações são atualizados com notícias e acontecimentos da semana em que ele se realiza, sempre abordando com muito humor as histórias que fazem parte da vida do cidadão.

Sua nova investida é o Stand-up para milionários, onde reúne executivos em uma sala de reuniões, inclusive numa reunião de brainstorming em qualquer ambiente corporativo e faz os poderosos cairem na gargalhada. Quando perguntado sobre como era um show para os “rich man’s”, limitou-se a dizer “ainda não estou milionario, mas estou à caminho. Chegar no ambiente deles minhas piadas autorais e interegir tirando-os para outro mundo naquele momento  já é um percentual alto que rende mais que a poupanca!

Di Morais é declaradamente um enófilo, torcedor do Corinthians e apaixonado por musica brasileira.

 

Por: Marcelo B. Santos

Siga-nos:

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *